Dias cinzentos, violência e outras coisas mais

plymouth

A querida Cláudia deixou um comentário aqui no blog que me fez pensar. Pensei tanto que decidi que não dava para responder de outro jeito, senão com um post. Ela disse: “Uma das coisas que vc não comentou e que fico pensando que pra mim é um sonho (principalmente pq tenho filho), é a questão da segurança, de se sentir protegido, ou pelo menos de não ter medo de sua casa ser invadida ou levar um tiro no farol. Acho que isso deve ser maravilhoso, além de tudo o que vc disse…Uma outra coisa que todos os meus conhecidos comentam qdo passam um tempo aí é a “depressão” que o céu cinzento e o frio acaba causando nas pessoas. Vc sente isso?!
Eu não sou corajosa como vc, infelizmente, e apesar de sonhar em viver em um lugar lindo e inspirador como esse, tenho medo de mudanças e não conseguiria deixar aqui minha família (pai, mãe, sobrinhos…).” Pois é Cláudia, tudo isso passa mesmo pela cabeça da gente. O que é verdade e o que não é? Vamos ver!

plymouth plymouth3

Primeiro a questão da segurança. Quando eu morava em Porto Alegre, morria de medo de assalto, sequestro relâmpago, roubo… Qualquer motoqueiro que chegasse perto do carro era motivo de preocupação, sair na rua para caminhar só se fosse sem telefone, carteira ou qualquer coisa de valor… Tenso. E agora nem lembrei de falar sobre isso porque não convivo mais com esse medo. Como moro numa cidade de tamanho médio, não tem nada parecido com o medo doido do Brasil. Posso sair na rua com telefone, carteira, laptop, tablet, sem problema. Os casos de violência aqui são absurdamente menores do que no Brasil. Ninguém vive com medo de ladrão. Você não imagina, morando em São Paulo, como pode ser tranquila a vida de quem mora no centro de uma cidade de 200 mil habitantes no Reino Unido. Londres não é a mesma coisa, claro. Mas também não é nada se comparada com as cidades mais violentas do Brasil.

plymouth plymouth5 plymouth6 plymouth7 plymouth8 plymouth9

Depressão nos dias cinzentos. Eu também tinha medo disso quando ainda estava no Brasil. Pensava que não ia me acostumar a viver sem tanto sol. Porque aqui agora está ensolarado e lindo, mas no outono e no inverno chove bastante, quase todos os dias são cinzas e faz frio. E o que eu descobri? Que o céu lá fora nunca é o responsável pela tristeza que vai lá dentro do coração. Nunca. A chuva é tão linda quanto o sol. O frio que gela as bochechas é delicioso e revigorante. O cinza que tinge o céu é tão inspirador quanto o azul. Basta ter olhar de enxergar. Ou de sentir.

plymouth plymouth11 plymouth12 plymouth13

Você tem razão quando fala que precisa ter coragem para não se amedrontar com as mudanças. Tudo aqui é diferente. Quanto mais para o Norte-Nordeste do Brasil, mais diferente ainda. Eu, que vim do Sul, talvez não tenha sentido tanto porque estou acostumada com frio, com pessoas mais fechadas, com uma certa cultura européia-brasileira. É preciso, ainda assim, ter mente aberta para o novo. Não tem pastel de feira, não tem farofa, não tem requeijão, não tem pão de queijo. Mas tem cheese scone, muffin, sausage roll, custard cream… Eu nem penso no que ficou no Brasil. Aprendi a gostar de tanta coisa daqui que o que ficou para trás é só lembrança.

plymouth

Sobre a distância das pessoas, só posso agradecer ao Skype, ao Hangout, ao Facebook, ao Instagram… rsrsrsrs A internet realmente faz muita diferença quando se trata de encurtar a saudade. Meus pais vieram me visitar no mês passado e foi bacana poder mostrar ao vivo tudo que mostrava antes só por fotos. Aliás, ainda bem que existem as fotos, porque morando tão longe não dá para visitar toda hora, mas dá para compartilhar quase tudo.

plymouth

E aí vão mais fotos, para provar o que eu digo sobre os dias cinzas. E também para mostrar um belo hamburguer, um tradicional café da manhã inglês, um café, umas barraquinhas de comida retrô (tem várias delas por aqui, todas fofas!), ruas, pontos turísticos, o mar. Sim, o ar é um capítulo à parte. Qualquer dia, falamos sobre ele.

13 comentários sobre “Dias cinzentos, violência e outras coisas mais

  1. Mudar dentro do próprio estado já traz coisas diferentes!Eu nem precisei mudar de país para conseguir mais qualidade de vida.E é engraçado porque mesmo estando agora em plena São Paulo não tenho medo de violência como tinha quando morava na periferia.
    Tudo isso é muito relativo.
    Mas outra cultura,outro mundo é muito tentador.Aproveite!Bjs

    Curtir

  2. Ah, viver sem medo da violência deve ser um sonho mesmo. Moro numa cidade pequena aqui no Brasil e tenho certeza que a violência aqui é maior do que a de qualquer cidade de médio porte do Reino Unido.
    Meu sonho é um dia sair do Brasil, mas, como meu marido é advogado, acho meio complicado trabalhar em outro país.
    Quanto aos dias cinzentos, nossa, vc nem imagina como fico feliz ao abrir a janela do meu quarto e ver o céu nublado e sentir o frio me bater nas bochechas.
    Bjs!

    Curtir

  3. Olá, Dani! Tudo bem?!

    “Que o céu lá fora nunca é o responsável pela tristeza que vai lá dentro do coração. Nunca. A chuva é tão linda quanto o sol. O frio que gela as bochechas é delicioso e revigorante. O cinza que tinge o céu é tão inspirador quanto o azul. Basta ter olhar de enxergar. Ou de sentir.”

    Este trecho em especial, me fez sorrir! Lindo post!

    Bjs!

    Curtir

  4. Adorei seu post….muito lindo! Tudo é uma questão do olhar, do sentir e de estar bem. Quando estamos de bem com a vida somos felizes em qualquer estação, em qualquer céu. Há beleza em todas as cores! Medo de mudanças? Quem não tem? A vida é assim…uns ousam mais outros menos. O importante nisso tudo é ser feliz!!
    Super beijooo!

    Curtir

  5. Adorei teu post!!! Aquele trecho de ” O céu… sentir”. Como te conheço a muito tempo eu nunca tive dúvidas que a vida aí te faria muito feliz. E tbm penso como tu o que ficou, o que não existe aí ficou na lembrança. E se daqui uns tempos resolveres a voltar ou mudar para outro país vais achar o céu azul. Bj

    Curtir

  6. Amei o post. Concordo plenamente com tudo que você falou a respeito da tristeza não ter nada a ver com o tempo/clima. rsrs
    Visitei Londres em 2012 e amei. Essa foto do café da manhã me fez sentir novamente o gostinho desse feijão que amei demais. rsrs. Continue curtindo cada momento nesse país maravilhoso. 😉
    Fique bem.
    Fátima.

    Curtir

  7. “Depressão nos dias cinzentos. Eu também tinha medo disso quando ainda estava no Brasil. Pensava que não ia me acostumar a viver sem tanto sol. Porque aqui agora está ensolarado e lindo, mas no outono e no inverno chove bastante, quase todos os dias são cinzas e faz frio. E o que eu descobri? Que o céu lá fora nunca é o responsável pela tristeza que vai lá dentro do coração. Nunca. A chuva é tão linda quanto o sol. O frio que gela as bochechas é delicioso e revigorante. O cinza que tinge o céu é tão inspirador quanto o azul. Basta ter olhar de enxergar. Ou de sentir.”
    Isso é realmente muito lindo e verdadeiro, acho não, tenho certeza, que o que importa é o que vai dentro do coração. Penso realmente assim sobre a chuva, o frio, o cinza…pena que não pude ficar tanto tempo aí, mas foram maravilhosos 3 meses.
    Bons Dias pra voce.
    Lu

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s